A MENINA QUE FAZIA BORBOLETAS

A menina que fazia boroletas

Meditei sobre as borboletas.

[…] Vi que elas podem pousar

nas flores e nas pedras, sem

magoar as próprias asas.

 

– Manoel de Barros –

Silvinha não falava, sequer expressava sentimentos. Nunca era possível saber se algo a agradava ou desagradava. Olhos fixos na parede, quando acordada, mais pareciam fixar a própria alma em estado de espera permanente. Porém, muito balançava para frente e para trás, para frente e para trás… E só. Queria tanto penetrar naquele ser a fim de conhecê-lo, saber seus gostos, trocar segredos… Por alguma razão, gostava quando mamãe me pedia para ir brincar com Silvinha – era filha de sua amiga –, coisa que nenhuma criança da turma admitia; afinal como brincar com uma estátua balançante? Os garotos da rua não entendiam nem a ela, nem a mim, que a tinha como uma espécie de reencantamento do mundo. Com ela, experimentava sensações a partir de inúmeras tentativas de arrancar-lhe um sorriso, um gesto, qualquer coisa.

O tempo passava, e eu ficava entregue ao seu lado lhe servindo de companheiro no silêncio da parede onde, por alguma razão, fazia-me cúmplice daquela amizade, uma vez que fazíamos alguma coisa juntos… Um dia, algo aconteceu: uma borboleta entrou voando pela janela e, imediatamente, atraiu a atenção de Silvinha. Ela a acompanhou em seu voo bruxuleante, e uma luz parece ter tomado conta da menina, pois sua expressão era de alegria enquanto abria e fechava as mãos, seguindo no ar o curso da inesperada visita, que, antes de sair por onde havia entrado, teve o cuidado de beijar-lhe as faces com suas delicadas asas.

O gesto do animal não lhe causou repulsa nem medo, mas as lágrimas brotaram-lhe como orvalhos quando a viu indo embora. Foi quando, pela primeira vez, olhou para mim e eu entendi o pedido de seus olhos. Corri à janela, mas já não era possível alcançá-la. De costas para Silvinha, não tinha coragem de decepcioná-la ao perceber que eu não conseguira. Num impulso, corri ao armário e peguei um papel amarelo, desses de recado, e, dobrando-o, surgiu de minhas mãos uma pequena borboleta. Fiz de conta que voava dando inúmeros saltos pelo quarto até pousá-la no colo de minha amiga. Ela olhou séria para aquela borboleta de papel e, indiferente, voltou a fitar o infinito da parede. As lágrimas agora mudaram de olhos, e elas saíram tão rápidas quanto eu daquele quarto. Mas… No dia seguinte, quando voltei, quase não pude acreditar ao ver o mesmo quarto repleto de borboletas de papel espalhadas em cores por todos os lados. A minha surpresa ainda foi maior ao vê-la dobrando os papéis em desenvoltura e graça. Olhou para mim com um sorriso e com uma voz doce, como deve ser a voz das borboletas, disse:

— obrigada! — E arrematou: — Vem!

A partir daquele dia tudo mudou. Agora tínhamos um compromisso juntos, um enlace, o mais lindo de todos: ficar nós dois ali, horas ganhadas, naquele ofício de fazer nascerem as borboletas.

Esse conto é parte do livro Entrelinhas Contos mínimos.

Saiba mais sobre essa e outras histórias clicando AQUI.

Para adquiri-lo, acesse AQUI.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s