A ARTE DE SIGNIFICAR

Por Xavier de Novais, personagem narrador do livro Histórias de um certo Aarão e outros casos contados, ainda em processo de escrita.

Olá!
Cuidei que o meu escritor estivesse brincando quando delegou a mim a tarefa de assumir a lista de transmissão no WhatsApp. Mas qual! Não só não estava brincando, como cruzou os braços (literalmente) a isso, deixando mesmo para mim o encargo de alimentar de literatura quem por lá estiver espontaneamente. Não que ele não queira, mas as tarefas de escrita e produção de livros, além dos cursos e oficinas na Árvore das Letras os chamam ao serviço. Para comprovar o que digo, deixo aqui um pequeno vídeo dele em ação com a nossa “Paula Brito”, sim, nossa! Dou-me o direito de tê-la como minha, já que é ela que dará existência física à minha história e as do meu amigo Aarão Reis…

A propósito, você sabe por que a máquina de livros da Alforria Literária se chama “Paula Brito”? Esse nome é em alusão a Francisco de Paula Brito, proprietário de uma livraria no antigo lago do Rocio no século XIX, atual Praça Tiradentes, no Rio de Janeiro. Mulato, autodidata e oriundo de meio humilde, Paula Brito trabalhou como tipógrafo, impressor de livros e jornais, fundando a Marmota Fluminense numa época em que o analfabetismo era gigantesco em nosso país. Com essa história, o nome de uma máquina que faz livros não poderia ser mais adequado, não acha? Além disso, a importância de Paula Brito foi fundamental para acolher um mocinho acanhado, também mulato, brilhante e que faria história… Machado de Assis, que, por sua vez, inspirou com o seu óculos pince-nez a marca da Alforria Literária.
E tudo se encaixa!

Text placeholder

Saiba mais sobre a Alforria Literária, seu conceito e história clicando AQUI!

GENTE, QUE LOUCURA!

LISTA DE TRANSMISÃO.

Por Leandro Bertoldo Silva

 

Estava sentado no sofá da minha casa pensando nos livros que coloquei como meta este ano para ler, quando comecei a conversar comigo mesmo… Na verdade não era bem comigo que eu conversava, mas com o personagem que estou escrevendo no livro das histórias de Aarão Reis – Xavier de Novais. Não seria nada demais se levando em conta que ele, na minha história, é o segurança de uma livraria; nada estranho, portanto, de estar falando com o nobre amigo sobre livros.

Acontece que ele começou a ter opiniões próprias, tecendo comentários sobre livros que eu ainda não li e ele sim… A propósito, Xavier de Novais é um exímio leitor, como se verá no meu livro quando eu o terminar.
Mas isso me fez pensar sobre o que é ser um personagem. Talvez para ele o personagem fosse eu… Pensando na teoria de que às vezes são os livros que nos escrevem e não o contrário, é bem possível que fosse mesmo. Mas para maior compreensão, se é que é possível, deixo que ele próprio se explique e se apresente.

Oi, o meu nome é Xavier de Novais. Não sou propriamente um personagem. Personagem tem uma personalidade; eu não tenho uma personalidade, tenho várias, ou melhor, tenho tantas quantas forem os olhos de quem me leem. Isso porque posso estar em um poema, mas também em um romance, quem sabe em um conto, ou mesmo num ensaio. Ora, se não sou um personagem, também não o deixo de ser, e muitos! Posso até ser você neste momento. Na verdade, eu preciso de você para existir, mas você não precisa de mim para viver, mas se me ter e ouvir minha voz, sendo ‘um’ comigo e abrir as portas do seu coração, posso lhe abrir mais do que isso, posso lhe abrir estradas. Não quero agora lhe dizer mais do que poderei falar em versos e histórias. Despeço-me, então, para nelas me fazer presente, se assim me permitir. Até breve!

É nessa antítese, nessa espécie de mundo dos contrários que vivi essa experiência inusitada e que peço agora a gentileza da sua atenção para aliá-la à sensibilidade das percepções poéticas e literárias para, junto com Xavier de Novais, adentrarmos os caminhos por onde é possível sonhar.

Para isso, além de o estar escrevendo no livro Histórias de um certo Aarão e outros casos contados: das histórias e lendas de Belo Horizonte recontadas por um segurança que recebia, em seu serviço, a visita ilustre do fantasma de Aarão Reis, resolvi dar a ele existência própria e fora do livro.

Assim, a partir de agora é ele quem irá se encarregar de uma lista de transmissão que mantenho no WhatsApp, o que será ótimo, pois vai me desafogar um pouco nas tarefas que tenho que fazer. E vamos ver no que isso vai dar…

Se você já faz parte da lista, ótimo! Se ainda não e deseja fazer e receber folhetins literários, indicação de livros, autores, matérias, informações de feiras e eventos culturais, seja bem-vindo(a). É só enviar uma mensagem no whatsapp no número (33)98437-0072, dizendo: EU QUERO FAZER PARTE DA LISTA. Divulgue também para os seus amigos!

Venha fazer parte dessa experiência literária!

Forte abraço!
Leandro Bertoldo Silva.