A MENINA QUE FAZIA BORBOLETAS

A menina que fazia boroletas

Meditei sobre as borboletas.

[…] Vi que elas podem pousar

nas flores e nas pedras, sem

magoar as próprias asas.

 

– Manoel de Barros –

Silvinha não falava, sequer expressava sentimentos. Nunca era possível saber se algo a agradava ou desagradava. Olhos fixos na parede, quando acordada, mais pareciam fixar a própria alma em estado de espera permanente. Porém, muito balançava para frente e para trás, para frente e para trás… E só. Queria tanto penetrar naquele ser a fim de conhecê-lo, saber seus gostos, trocar segredos… Por alguma razão, gostava quando mamãe me pedia para ir brincar com Silvinha – era filha de sua amiga –, coisa que nenhuma criança da turma admitia; afinal como brincar com uma estátua balançante? Os garotos da rua não entendiam nem a ela, nem a mim, que a tinha como uma espécie de reencantamento do mundo. Com ela, experimentava sensações a partir de inúmeras tentativas de arrancar-lhe um sorriso, um gesto, qualquer coisa.

O tempo passava, e eu ficava entregue ao seu lado lhe servindo de companheiro no silêncio da parede onde, por alguma razão, fazia-me cúmplice daquela amizade, uma vez que fazíamos alguma coisa juntos… Um dia, algo aconteceu: uma borboleta entrou voando pela janela e, imediatamente, atraiu a atenção de Silvinha. Ela a acompanhou em seu voo bruxuleante, e uma luz parece ter tomado conta da menina, pois sua expressão era de alegria enquanto abria e fechava as mãos, seguindo no ar o curso da inesperada visita, que, antes de sair por onde havia entrado, teve o cuidado de beijar-lhe as faces com suas delicadas asas.

O gesto do animal não lhe causou repulsa nem medo, mas as lágrimas brotaram-lhe como orvalhos quando a viu indo embora. Foi quando, pela primeira vez, olhou para mim e eu entendi o pedido de seus olhos. Corri à janela, mas já não era possível alcançá-la. De costas para Silvinha, não tinha coragem de decepcioná-la ao perceber que eu não conseguira. Num impulso, corri ao armário e peguei um papel amarelo, desses de recado, e, dobrando-o, surgiu de minhas mãos uma pequena borboleta. Fiz de conta que voava dando inúmeros saltos pelo quarto até pousá-la no colo de minha amiga. Ela olhou séria para aquela borboleta de papel e, indiferente, voltou a fitar o infinito da parede. As lágrimas agora mudaram de olhos, e elas saíram tão rápidas quanto eu daquele quarto. Mas… No dia seguinte, quando voltei, quase não pude acreditar ao ver o mesmo quarto repleto de borboletas de papel espalhadas em cores por todos os lados. A minha surpresa ainda foi maior ao vê-la dobrando os papéis em desenvoltura e graça. Olhou para mim com um sorriso e com uma voz doce, como deve ser a voz das borboletas, disse:

— obrigada! — E arrematou: — Vem!

A partir daquele dia tudo mudou. Agora tínhamos um compromisso juntos, um enlace, o mais lindo de todos: ficar nós dois ali, horas ganhadas, naquele ofício de fazer nascerem as borboletas.

Esse conto é parte do livro Entrelinhas Contos mínimos.

Saiba mais sobre essa e outras histórias clicando AQUI.

Para adquiri-lo, acesse AQUI.

 

LIVRO-OBJETO: MUITO ALÉM DAS PALAVRAS

livro-objeto

“Vivemos, sim, um esgotamento dos termos tradicionais ‘pintura’, ‘escultura’, ‘desenho’. Não é uma questão de estarem mortos ou não como forma de expressão, estão é cansados. Não dão mais conta da complexidade atual do mundo. (…) A precisão ou nitidez de campos não interessa mais. O que interessa, hoje, é a diluição de fronteiras ou uma nova precisão que não teme incorporar o que está fora de definição, fora do controle, fora do saber.” 

(Marcio Doctors.)

Com este pensamento, imagine-se na seguinte situação!

Você entra em uma exposição de arte e percebe que todas as molduras de todos os quadros são exatamente iguais.

Isso significa que possuem o mesmo tamanho, o mesmo formato, o mesmo aspecto, embora as pinturas em si sejam diferentes, assim como as cores.

Agora pense em uma livraria… Não é exatamente isso que acontece? Centenas de livros empilhados ou dispostos lado a lado nas estantes. Sim, por mais que as editoras se reinventam nas capas e dão a elas uma importância quase que divinas (e isso tem uma razão muito lógica…), eles continuam sendo livros comuns independente da obra de arte de seus conteúdos. No caso deles, alguns são grandes, outros pequenos, outros médios, capa dura, capa mole, mas feitos todos dentro de um padrão que alguém definiu como o ideal, bem como o seu material – uma forma convencional do livro que prevaleceu desde Gutenberg, no século XV, e que dezenas, centenas, milhares de escritores buscam incessantemente até hoje, o que passa para os leitores, porque alguém disse que “é assim!”.

Não posso deixar de lembrar o filme “Vida de Inseto”, em que uma das formigas mais velhas repreende o jovem Flik por causa das suas invenções, argumentando que desde tempos ancestrais as formigas colhiam grãos sempre da mesma maneira e, se assim era, assim teria que continuar.

Mas eu me pergunto: por quê?

Agora pense! Imagine um livro que não se prenda a padrões de forma ou funcionalidade, que extrapola o conceito livro, rompendo as fronteiras comumente atribuídas aos livros de “somente leitura” para se assumirem como objetos de arte…

Sim! São os livros-objeto.

É dentro deste conceito, e outros mais, que os livros da Alforria Literária são feitos. Não é por acaso que escolhi este nome como selo editorial para os meus livros. Eu, como escritor, quero que eles, além da qualidade literária buscada, perseguida, desejada, tenham como princípio a junção entre essa narrativa e a narrativa plástica, ou seja, que sejam livros para ler, ter e guardar, atribuindo um sentido de percepção táctil e visual, assim como peças que já nascem raras por resistirem na contramão em relação aos veículos reproduzidos em massa.

Os livros-objeto não se configuram em formas puramente industriais feitos em série; é antes um enlace de experiências que estabelecem um novo lugar, uma personalidade e uma nova maneira de enxergar a literatura em seus aspectos artísticos por dentro e por fora, feitos exclusivamente para o leitor em busca de uma nova relação que não apenas comercial. São peças artesanais, costuradas à mão e utilizando, no caso da Alforria, uma máquina feita de madeira reaproveitada usada como prensa e colagem – a “Paula Brito”.

Além disso, suas folhas são recicláveis e as capas dos livros são feitas de papel ecológico com fibras de material orgânico e flores, alcançando uma identidade própria e única – por isso um objeto, como disse anteriormente, que já nasce raro por não ser encontrado em todos os lugares e facilmente replicado.

Os meus livros são resultados, sim, de anos de escrita, de empenho intelectual e artístico, de muita leitura, preparação, estudo, formação e que nunca irá cessar. Mas também, juntamente com tudo isso, são anos de pesquisa e experimentação até encontrar a costura certa, o tempo adequado de colagem, a simetria do corte, o cuidado do acabamento. E tudo é um processo que vai evoluindo, sempre tendo na natureza o motivo de observação e inspiração.

IMG-20191010-WA0005

Quando estou costurando um livro, o que faço sempre ao som de músicas clássicas e instrumentais, sinto-o nascendo em minhas mãos. Chega a ser para mim uma sensação de catarse. Ali eu manifesto todo o meu sentimento e pensamento para que o leitor tenha também em suas mãos mais do que um livro, mas uma experiência que vai além, sensitiva, táctil, visual e emocional por estar adquirindo algo único, uma vez que todo o processo é inteiramente artesanal e buscando a mais alta qualidade técnica.

O que é oferecido ao leitor é a artesania da palavra em junção à forma natural das coisas em busca de uma experiência total, que é de cada um.

O melhor de tudo isso?

Você pode ter esses livros, lê-los, guardá-los, presentear pessoas com eles e incentivar no novo a descoberta de outras sensações e recriar lugares, indo além dos padrões. É por isso que escolhi vender os meus livros em feiras, exposições, floriculturas, cafés, bares temáticos e lugares que estejam em sintonia com esse conceito e verdade.

encontro direto com leitores

Patrícia de Deus 2

Será muito possível, a partir deste ano, me verem costurando livros por aí… E para isso, estou planejando a criação de uma estrutura móvel e poética, como não poderia deixar de ser. Aguardem! É claro que prefiro me encontrar com os leitores, conversar sobre os livros, mostrar como são feitos e até mesmo tomar um café. Mas nem sempre é possível que isso aconteça. Por esse motivo, em sintonia também com a tecnologia, temos a nossa loja virtual a partir do blog da Árvore das Letras. Você já a conhece? Confira lá! Mas veja, não tem nada de mirabolante, coisas giratórias, enfim; é simples, como também não poderia deixar de ser…

loja

Acesse nossa loja no blog da Árvore das Letras clicando AQUI!

A propósito, você já segue o blog? Se sim, vamos juntos! Tem muita coisa bacana por vir este ano. Se não, passe a seguir e receba de antemão todas as postagens. É só clicar em “seguir” na coluna à direita abaixo das imagens dos seguidores. É uma ação simples, mas que para nós faz muita diferença e nos permite continuar buscando, publicando e divulgando a literatura da melhor maneira possível.

Torço por sua presença e espero que você goste!

Amigo, conheça mais sobre a Alforria Literária clicando AQUI ou na página no MENU acima. Leia, também, a sinopse de cada um dos livros acessando a nossa loja. Repare que na descrição de cada um tem o botão que te direciona ao PagSeguro, caso queira efetuar a compra de algum deles.

Cada livro que você adquirir estará ajudando o fortalecimento de uma nova consciência de mercado e visão literária, mostrando que estradas também foram feias para serem construídas e não apenas seguidas. Pense nisso também em seus sonhos, sejam eles quais forem!

Vamos juntos, sempre!

Forte abraço!

Leandro Bertoldo Silva.

2020, UM ANO PARA SER FELIZ, SEM MEDO DE SER SIMPLES

um ano para ser feliz

Queridos amigos,

2019 se despede deixando-nos com muitos aprendizados. Não podemos dizer que foi um ano fácil… Vimos alguns acontecimentos bem marcantes e até mesmo tristes, a polarização política se intensificar ainda mais e, dessa vez, não apenas por questões ideológicas, mas humanitárias. Até mesmo a arte e a cultura se viram na tentativa de serem caladas…

Por isso estamos aqui, como estiveram e estão centenas de outros escritores, atores, músicos, empresas sérias divulgadoras da arte, artistas independentes e autônomos de diversas naturezas, mostrando o valor desse poder transformador.

Mas se 2019 teve esses percalços, que irão passar, pois “amanhã há de ser outro dia”, também foi motivo de muitas alegrias e conquistas, principalmente para mim como escritor e para a Árvore das Letras como entidade constituída e oficializada como empresa de educação e arte. Foi o ano em que tivemos a presença de alunos maravilhosos e muito talentosos em nossos cursos de arte e de leitura e escrita; ano em que lancei e publiquei o meu quarto livro e primeiro infanto-juvenil, indo visitar muitas escolas pelos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, conhecendo centenas de novas pessoas em palestras-histórias, oficinas e encontros; ano em que criamos o nosso primeiro produto oficial da Árvore das Letras, nascido do curso de escrita, que são as agendas “Semanário” e os cadernos sustentáveis, dando origem ao projeto “Qual é a sua Letra?”; ano também em que encontramos as feiras e nos fortalecemos como presença forte no artesanato, conseguindo comercializar muitos livros e peças decorativas na união com a marca “Geane Matos Mandalas”, de minha querida esposa, o que nos mostra, pelos sorrisos que deixamos nas pessoas, pelo sentimento mútuo de gratidão, a certeza de estarmos indo pelo caminho certo e de termos um ano de 2020 assim com muito mais alegrias e conquistas, porque acreditamos no que fazemos e fazemos com amor e verdade.

Aqui neste momento, quero três coisas: primeiro agradecer a todas as pessoas que nos apoiaram, acreditando em nosso trabalho, divulgando a nossa arte, comprando a nossa ideia, entendendo o nosso conceito e escolhas, adquirindo os nossos produtos e livros, incentivando, criticando positivamente, dando ideias, enfim… Foram muitas pessoas que fizeram isso e cada uma delas está em nossos corações. Só temos a dizer MUITO OBRIGADO e que continuaremos juntos nessas parcerias.

Segundo, quero fazer um pedido. Se você já segue este blog, vamos juntos, se ainda não, siga, pois isso faz muita diferença para nós e é uma ação muito simples. Através dele entrego e mostro, particularmente, a maneira que escolhi de ser escritor em busca de abrir as minhas próprias estradas. Por isso, você pode ajudar seguindo o blog e também comprando os nossos livros. Cada livro que você comprar, cada caderno que você adquirir, cada indicação que você fizer estará contribuindo muito para a continuidade deste trabalho que não conta com nenhum patrocínio. Toda fonte de renda da Árvore das Letras é conseguida através dos nossos cursos e venda de nossos livros e produtos. E é essa fonte de renda que nos permite continuar publicando e produzindo conteúdos que aqui no blog sempre serão gratuitos.

E terceiro, quero desejar a todos vocês um ano de 2020 espetacular! Que todos os esforços possam ser contemplados com conquistas merecedoras. Se nem tudo for realizado, não tem importância… O que importa é seguir em frente sem medo de ser simples e entender que a vida pode nos dar muito mais do que desejamos se tivermos olhos para ver.

Vamos em frente, construindo estradas…

Forte abraço!

Leandro Bertoldo Silva.