PARA LÁ DESSE QUINTAL

Para lá desse quintal

Quando a pátria que temos não a temos

perdida por silêncio e por renúncia

até a voz do mar se torna exílio

e a luz que nos rodeia é como grades.

 – Sophia de Mello Breyner Andresen –

Para lá desse quintal, sempre houve uma noite infinita. Contudo, agora que o transpôs, não sabia se deveria. Talvez fosse melhor imaginá-la pelo rádio ao debruçar-se sobre a mesa a ouvir aquela música e deixar-se fazer dela – a noite – o que as suas lágrimas sugerissem. Mas a curiosidade o abateu como estrelas cadentes a viajarem em excessos. Era evidente a sua felicidade na simples-cidade em que vivia: meiga, pequena, pacata, protegida dos adereços que tornam cheios os nossos pensamentos. E quão mais confortável era a vida pouca neste quintal vazio que o tempo ainda não preenchera… Tudo era tão cheio de nada a sua volta, que a falta, além de não se fazer presente, apresentava-se como possibilidades. Um banho quente em noite fria era um bálsamo de abundância! O que dizer da velha bicicleta que o ajudava a vencer a longa distância entre a casa e a escola e ainda emprestava-lhe a suave carícia do vento? Mas o menino cresceu… E o quintal não mais lhe cabia. Não se arrependia de ter desejado o infinito, mas de tê-lo deixado ser ilusão…

(Do livro Entrelinhas Contos mínimos)

A MENINA QUE FAZIA BORBOLETAS

A menina que fazia boroletas

Meditei sobre as borboletas.

[…] Vi que elas podem pousar

nas flores e nas pedras, sem

magoar as próprias asas.

 

– Manoel de Barros –

Silvinha não falava, sequer expressava sentimentos. Nunca era possível saber se algo a agradava ou desagradava. Olhos fixos na parede, quando acordada, mais pareciam fixar a própria alma em estado de espera permanente. Porém, muito balançava para frente e para trás, para frente e para trás… E só. Queria tanto penetrar naquele ser a fim de conhecê-lo, saber seus gostos, trocar segredos… Por alguma razão, gostava quando mamãe me pedia para ir brincar com Silvinha – era filha de sua amiga –, coisa que nenhuma criança da turma admitia; afinal como brincar com uma estátua balançante? Os garotos da rua não entendiam nem a ela, nem a mim, que a tinha como uma espécie de reencantamento do mundo. Com ela, experimentava sensações a partir de inúmeras tentativas de arrancar-lhe um sorriso, um gesto, qualquer coisa.

O tempo passava, e eu ficava entregue ao seu lado lhe servindo de companheiro no silêncio da parede onde, por alguma razão, fazia-me cúmplice daquela amizade, uma vez que fazíamos alguma coisa juntos… Um dia, algo aconteceu: uma borboleta entrou voando pela janela e, imediatamente, atraiu a atenção de Silvinha. Ela a acompanhou em seu voo bruxuleante, e uma luz parece ter tomado conta da menina, pois sua expressão era de alegria enquanto abria e fechava as mãos, seguindo no ar o curso da inesperada visita, que, antes de sair por onde havia entrado, teve o cuidado de beijar-lhe as faces com suas delicadas asas.

O gesto do animal não lhe causou repulsa nem medo, mas as lágrimas brotaram-lhe como orvalhos quando a viu indo embora. Foi quando, pela primeira vez, olhou para mim e eu entendi o pedido de seus olhos. Corri à janela, mas já não era possível alcançá-la. De costas para Silvinha, não tinha coragem de decepcioná-la ao perceber que eu não conseguira. Num impulso, corri ao armário e peguei um papel amarelo, desses de recado, e, dobrando-o, surgiu de minhas mãos uma pequena borboleta. Fiz de conta que voava dando inúmeros saltos pelo quarto até pousá-la no colo de minha amiga. Ela olhou séria para aquela borboleta de papel e, indiferente, voltou a fitar o infinito da parede. As lágrimas agora mudaram de olhos, e elas saíram tão rápidas quanto eu daquele quarto. Mas… No dia seguinte, quando voltei, quase não pude acreditar ao ver o mesmo quarto repleto de borboletas de papel espalhadas em cores por todos os lados. A minha surpresa ainda foi maior ao vê-la dobrando os papéis em desenvoltura e graça. Olhou para mim com um sorriso e com uma voz doce, como deve ser a voz das borboletas, disse:

— obrigada! — E arrematou: — Vem!

A partir daquele dia tudo mudou. Agora tínhamos um compromisso juntos, um enlace, o mais lindo de todos: ficar nós dois ali, horas ganhadas, naquele ofício de fazer nascerem as borboletas.

Esse conto é parte do livro Entrelinhas Contos mínimos.

Saiba mais sobre essa e outras histórias clicando AQUI.

Para adquiri-lo, acesse AQUI.

 

LIVRO-OBJETO: MUITO ALÉM DAS PALAVRAS

livro-objeto

“Vivemos, sim, um esgotamento dos termos tradicionais ‘pintura’, ‘escultura’, ‘desenho’. Não é uma questão de estarem mortos ou não como forma de expressão, estão é cansados. Não dão mais conta da complexidade atual do mundo. (…) A precisão ou nitidez de campos não interessa mais. O que interessa, hoje, é a diluição de fronteiras ou uma nova precisão que não teme incorporar o que está fora de definição, fora do controle, fora do saber.” 

(Marcio Doctors.)

Com este pensamento, imagine-se na seguinte situação!

Você entra em uma exposição de arte e percebe que todas as molduras de todos os quadros são exatamente iguais.

Isso significa que possuem o mesmo tamanho, o mesmo formato, o mesmo aspecto, embora as pinturas em si sejam diferentes, assim como as cores.

Agora pense em uma livraria… Não é exatamente isso que acontece? Centenas de livros empilhados ou dispostos lado a lado nas estantes. Sim, por mais que as editoras se reinventam nas capas e dão a elas uma importância quase que divinas (e isso tem uma razão muito lógica…), eles continuam sendo livros comuns independente da obra de arte de seus conteúdos. No caso deles, alguns são grandes, outros pequenos, outros médios, capa dura, capa mole, mas feitos todos dentro de um padrão que alguém definiu como o ideal, bem como o seu material – uma forma convencional do livro que prevaleceu desde Gutenberg, no século XV, e que dezenas, centenas, milhares de escritores buscam incessantemente até hoje, o que passa para os leitores, porque alguém disse que “é assim!”.

Não posso deixar de lembrar o filme “Vida de Inseto”, em que uma das formigas mais velhas repreende o jovem Flik por causa das suas invenções, argumentando que desde tempos ancestrais as formigas colhiam grãos sempre da mesma maneira e, se assim era, assim teria que continuar.

Mas eu me pergunto: por quê?

Agora pense! Imagine um livro que não se prenda a padrões de forma ou funcionalidade, que extrapola o conceito livro, rompendo as fronteiras comumente atribuídas aos livros de “somente leitura” para se assumirem como objetos de arte…

Sim! São os livros-objeto.

É dentro deste conceito, e outros mais, que os livros da Alforria Literária são feitos. Não é por acaso que escolhi este nome como selo editorial para os meus livros. Eu, como escritor, quero que eles, além da qualidade literária buscada, perseguida, desejada, tenham como princípio a junção entre essa narrativa e a narrativa plástica, ou seja, que sejam livros para ler, ter e guardar, atribuindo um sentido de percepção táctil e visual, assim como peças que já nascem raras por resistirem na contramão em relação aos veículos reproduzidos em massa.

Os livros-objeto não se configuram em formas puramente industriais feitos em série; é antes um enlace de experiências que estabelecem um novo lugar, uma personalidade e uma nova maneira de enxergar a literatura em seus aspectos artísticos por dentro e por fora, feitos exclusivamente para o leitor em busca de uma nova relação que não apenas comercial. São peças artesanais, costuradas à mão e utilizando, no caso da Alforria, uma máquina feita de madeira reaproveitada usada como prensa e colagem – a “Paula Brito”.

Além disso, suas folhas são recicláveis e as capas dos livros são feitas de papel ecológico com fibras de material orgânico e flores, alcançando uma identidade própria e única – por isso um objeto, como disse anteriormente, que já nasce raro por não ser encontrado em todos os lugares e facilmente replicado.

Os meus livros são resultados, sim, de anos de escrita, de empenho intelectual e artístico, de muita leitura, preparação, estudo, formação e que nunca irá cessar. Mas também, juntamente com tudo isso, são anos de pesquisa e experimentação até encontrar a costura certa, o tempo adequado de colagem, a simetria do corte, o cuidado do acabamento. E tudo é um processo que vai evoluindo, sempre tendo na natureza o motivo de observação e inspiração.

IMG-20191010-WA0005

Quando estou costurando um livro, o que faço sempre ao som de músicas clássicas e instrumentais, sinto-o nascendo em minhas mãos. Chega a ser para mim uma sensação de catarse. Ali eu manifesto todo o meu sentimento e pensamento para que o leitor tenha também em suas mãos mais do que um livro, mas uma experiência que vai além, sensitiva, táctil, visual e emocional por estar adquirindo algo único, uma vez que todo o processo é inteiramente artesanal e buscando a mais alta qualidade técnica.

O que é oferecido ao leitor é a artesania da palavra em junção à forma natural das coisas em busca de uma experiência total, que é de cada um.

O melhor de tudo isso?

Você pode ter esses livros, lê-los, guardá-los, presentear pessoas com eles e incentivar no novo a descoberta de outras sensações e recriar lugares, indo além dos padrões. É por isso que escolhi vender os meus livros em feiras, exposições, floriculturas, cafés, bares temáticos e lugares que estejam em sintonia com esse conceito e verdade.

encontro direto com leitores

Patrícia de Deus 2

Será muito possível, a partir deste ano, me verem costurando livros por aí… E para isso, estou planejando a criação de uma estrutura móvel e poética, como não poderia deixar de ser. Aguardem! É claro que prefiro me encontrar com os leitores, conversar sobre os livros, mostrar como são feitos e até mesmo tomar um café. Mas nem sempre é possível que isso aconteça. Por esse motivo, em sintonia também com a tecnologia, temos a nossa loja virtual a partir do blog da Árvore das Letras. Você já a conhece? Confira lá! Mas veja, não tem nada de mirabolante, coisas giratórias, enfim; é simples, como também não poderia deixar de ser…

loja

Acesse nossa loja no blog da Árvore das Letras clicando AQUI!

A propósito, você já segue o blog? Se sim, vamos juntos! Tem muita coisa bacana por vir este ano. Se não, passe a seguir e receba de antemão todas as postagens. É só clicar em “seguir” na coluna à direita abaixo das imagens dos seguidores. É uma ação simples, mas que para nós faz muita diferença e nos permite continuar buscando, publicando e divulgando a literatura da melhor maneira possível.

Torço por sua presença e espero que você goste!

Amigo, conheça mais sobre a Alforria Literária clicando AQUI ou na página no MENU acima. Leia, também, a sinopse de cada um dos livros acessando a nossa loja. Repare que na descrição de cada um tem o botão que te direciona ao PagSeguro, caso queira efetuar a compra de algum deles.

Cada livro que você adquirir estará ajudando o fortalecimento de uma nova consciência de mercado e visão literária, mostrando que estradas também foram feias para serem construídas e não apenas seguidas. Pense nisso também em seus sonhos, sejam eles quais forem!

Vamos juntos, sempre!

Forte abraço!

Leandro Bertoldo Silva.

2020, UM ANO PARA SER FELIZ, SEM MEDO DE SER SIMPLES

um ano para ser feliz

Queridos amigos,

2019 se despede deixando-nos com muitos aprendizados. Não podemos dizer que foi um ano fácil… Vimos alguns acontecimentos bem marcantes e até mesmo tristes, a polarização política se intensificar ainda mais e, dessa vez, não apenas por questões ideológicas, mas humanitárias. Até mesmo a arte e a cultura se viram na tentativa de serem caladas…

Por isso estamos aqui, como estiveram e estão centenas de outros escritores, atores, músicos, empresas sérias divulgadoras da arte, artistas independentes e autônomos de diversas naturezas, mostrando o valor desse poder transformador.

Mas se 2019 teve esses percalços, que irão passar, pois “amanhã há de ser outro dia”, também foi motivo de muitas alegrias e conquistas, principalmente para mim como escritor e para a Árvore das Letras como entidade constituída e oficializada como empresa de educação e arte. Foi o ano em que tivemos a presença de alunos maravilhosos e muito talentosos em nossos cursos de arte e de leitura e escrita; ano em que lancei e publiquei o meu quarto livro e primeiro infanto-juvenil, indo visitar muitas escolas pelos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, conhecendo centenas de novas pessoas em palestras-histórias, oficinas e encontros; ano em que criamos o nosso primeiro produto oficial da Árvore das Letras, nascido do curso de escrita, que são as agendas “Semanário” e os cadernos sustentáveis, dando origem ao projeto “Qual é a sua Letra?”; ano também em que encontramos as feiras e nos fortalecemos como presença forte no artesanato, conseguindo comercializar muitos livros e peças decorativas na união com a marca “Geane Matos Mandalas”, de minha querida esposa, o que nos mostra, pelos sorrisos que deixamos nas pessoas, pelo sentimento mútuo de gratidão, a certeza de estarmos indo pelo caminho certo e de termos um ano de 2020 assim com muito mais alegrias e conquistas, porque acreditamos no que fazemos e fazemos com amor e verdade.

Aqui neste momento, quero três coisas: primeiro agradecer a todas as pessoas que nos apoiaram, acreditando em nosso trabalho, divulgando a nossa arte, comprando a nossa ideia, entendendo o nosso conceito e escolhas, adquirindo os nossos produtos e livros, incentivando, criticando positivamente, dando ideias, enfim… Foram muitas pessoas que fizeram isso e cada uma delas está em nossos corações. Só temos a dizer MUITO OBRIGADO e que continuaremos juntos nessas parcerias.

Segundo, quero fazer um pedido. Se você já segue este blog, vamos juntos, se ainda não, siga, pois isso faz muita diferença para nós e é uma ação muito simples. Através dele entrego e mostro, particularmente, a maneira que escolhi de ser escritor em busca de abrir as minhas próprias estradas. Por isso, você pode ajudar seguindo o blog e também comprando os nossos livros. Cada livro que você comprar, cada caderno que você adquirir, cada indicação que você fizer estará contribuindo muito para a continuidade deste trabalho que não conta com nenhum patrocínio. Toda fonte de renda da Árvore das Letras é conseguida através dos nossos cursos e venda de nossos livros e produtos. E é essa fonte de renda que nos permite continuar publicando e produzindo conteúdos que aqui no blog sempre serão gratuitos.

E terceiro, quero desejar a todos vocês um ano de 2020 espetacular! Que todos os esforços possam ser contemplados com conquistas merecedoras. Se nem tudo for realizado, não tem importância… O que importa é seguir em frente sem medo de ser simples e entender que a vida pode nos dar muito mais do que desejamos se tivermos olhos para ver.

Vamos em frente, construindo estradas…

Forte abraço!

Leandro Bertoldo Silva.

UM CONTO DE JUVENTUDE: A MELHOR MÚSICA DO MUNDO

Um conto de juventude

Eu não sentia nada. Só uma transformação pesável.

Muita coisa importante falta nome.

 – Guimarães Rosa –

 

Uma vez encontrei um menino sozinho na rua. Estava todo sujo. Estava tão sujo, que eu jurava ver poeira saindo do seu corpo quando caminhava em minha direção. O engraçado é que o tanto que estava sujo era o tanto que estava feliz. Vinha sorrindo, esbanjando contentamento. Carregava uma caixinha de fósforo e nela dedilhou um sambinha e, tão logo me viu, começou a cantar:

Oh, seu moço, por favor, dê um sorriso!

Porque hoje aprendi o que é o amor.

O que é o amor…

— Por que está tão feliz, menino? — perguntei admirado.

— Porque hoje conheci a melhor música do mundo e descobri que ela está dentro desta caixinha! — respondeu-me prontamente.

— Música?! Mas isso não é música! É apenas um batuque!

Ele me olhou de uma maneira tenra e dócil…

— Não, moço… É música! E é tão linda que só os puros podem ouvi-la e reconhecê-la.

— Não é engraçado um rapaz como você, tão sujo, falar de pureza?

Mais uma vez ele pousou em mim um olhar dócil, sorriu e disse:

— Você acha mesmo que eu estou sujo? É, moço… Você não sabe mesmo o que são as coisas do mundo… O que os seus ouvidos e olhos escutam e veem nem sempre são o que realmente se diz ou mostra. Preste um pouco mais de atenção… Eu vou ajudar você.

A partir daquele momento, não mais disse nada. Na verdade, não fora preciso. Ele tocou a caixinha de fósforo de uma forma tão maravilhosa, com uma alegria tão especial, que, aos poucos, fui percebendo a grande música que dali saia e, nessa hora, percebi que não era poeira suja que eu via sair de seu corpo, e sim partículas minúsculas de luz que o envolviam completamente. Foi quando vi como eu estava enganado pelo pessimismo que me afligia e pela arrogância dos mais velhos, que julgam ter o direito de achar ser isso natural.

Quando o jovem me viu diferente, deu um sorriso largo e escultural, sorriso que eu não me lembrava de ter visto igual, e saiu tocando a sua caixinha de fósforo até sumir de minha vista. Quanto a mim, fiquei feliz. Ele está por aí, na sua missão de caixinha. Por isso, repare em todas as pessoas “sujas” que encontrar pelos caminhos e, ao invés de se desviar, dê a elas um pouco de atenção e as toque como a uma caixinha de fósforo. O que vier delas pode ser a melhor música do mundo…

A CARTA

cartas antigas

Por Leandro Bertoldo Silva – do livro Entrelinhas Contos mínimos.

O segredo de uma velhice agradável

consiste apenas na assinatura

de um honroso pacto

com a solidão.

– Gabriel García Marquez –

Seu Walternoon já não falava; brincava de estátua. Emoldurava-se nos seus quase 90 anos de idade. Fora esse o recurso que encontrou para fugir dos momentos de visita, uma vez que não havia ninguém para visitá-lo e, dessa forma, o tempo passava despercebido, levando-se em conta que estátua não sentia…

Naquele lar de idosos, as cartas já não lhe imprimiam saudades, não lhe traziam palavras ou sequer lembranças, mesmo que descompassadas de tempos meninos – os seus meninos. Aliás, as cartas há muito não existiam, eram inventadas. Em cada palavra que eu lia na insistência de lhe levar notícias fingidas, espreitava se o semblante rígido da estátua se humanizava… Nada, pois, mudava aquela forma inerte de morte e era assim que eu me sentia todas as vezes que o deixava com o papel no colo molhado de lágrimas, não as dele, porque estátua não chora, mas as minhas, que deixavam ainda mais manchadas de inverdades as histórias que lhe imaginava.

Eu era apenas o faxineiro daquele lugar e me agoniava a falta dos seus, como me agoniava vê-lo sem nem os dos outros e a sua atitude de se enrijecer na espera que o tempo passasse.

Assim se repetia a cada visita e a cada uma delas eu lhe trazia novas cartas, e seguíamos em nosso encontro até o momento de repousá-la em seu colo. Um dia, porém, ao chegar a casa e perceber o assento vazio de sua poltrona e os olhares tristes de quem espera por sua vez, compreendi o ocorrido…

Uma enfermeira entregou-me uma caixa contendo dezenas de cartas. Eram as minhas, mas, junto delas, uma resposta por dentro de cada envelope que dizia, em letras sumidas, trêmulas, quase fugidas: “Obrigado por tudo…”.

EU SOU A ÁRVORE E A ÁRVORE SOU EU

Árvore

Por Leandro Bertoldo Silva

Você já passou pela experiência de desejar algo ardentemente e, de repente, perceber que já a possuía há tempos e não se dava conta disso? Pois é, isso aconteceu comigo…

Sempre admirei as pessoas cuja forma de vida se assemelha intimamente com aquilo que acreditam. Isso pode parecer simples e óbvio, mas não é tanto assim. Quantas pessoas você conhece que vivem uma vida que não querem? Seja no trabalho, no casamento, na família, ou com elas mesmas… Acontece que isso é muito comum.

Eu sempre quis ser escritor sem saber ao menos o que isso, de fato, significava. E é exatamente aqui que a minha vida se funde com um pé de ameixa…

Eu tinha 7 anos quando a minha brincadeira preferida não era jogar bola ou brincar de carrinho, como os outros meninos da minha idade, mas subir em um pé de ameixa que ficava ao lado de um pé de goiaba na casa da minha avó, e lá ficar horas viajando pelas páginas dos livros que levava comigo, usando os  galhos da árvore como estantes. Era a minha primeira biblioteca. Eu não tinha uma ideia muito clara do que aquilo representava, mas eu também queria inventar histórias. Foi assim que se deu o meu contato com a literatura.

SítioNaquele tempo passava um programa na televisão: O Sítio do Picapau Amarelo e, igualmente, de todos os lugares do Sítio, como o poço dos desejos da Emília, a cabana do Tio Barnabé e dos inesquecíveis Zé Carneiro e Malazarte, a cozinha da Tia Nastácia, a gruta da Cuca, a casa de bambu do Saci, a venda do Seu Elias no Arraial dos Tucanos, o que eu mais gostava, o que fazia mesmo os meus olhos de criança brilharem era a biblioteca da Dona Benta, quando o Visconde – o meu herói – aparecia lendo aqueles fantásticos livros de histórias e contos da Carochinha. Novamente, o pé de ameixa transformava-se naquele lugar e de lá eu ia à lua e dela aos corredores assustadores do labirinto do Minotauro, protegido por Teseu e Pedrinho. O pé de ameixa era, portanto, um portal onde eu desnudava-me de mim mesmo e ali eu sonhava nas páginas dos livros, inicialmente da Coleção Vaga-lume que, por intermédio de uma professora – Dona Marieta – a qual sou muito grato eternamente, incentivou-me a ler “O Caso da Borboleta Atíria” e “A Ilha Perdida”… Hoje as coleções são mais modernas, mas aqueles livros transformaram a minha vida, que, com o passar do tempo, foram ficando mais robustos…

A partir de José Lins do Rego e seu “Menino de Engenho”, fui descobrindo Graciliano Ramos, Machado de Assis, Drummond, Clarice Lispector, Fernando Sabino e uma infinidade de vozes que tornaram a lista imensa. E ainda hoje continuo descobrindo escritores, muitos se tornando amigos, outros pelas páginas dos seus livros, como Mia Couto, Valter Hugo Mãe, Conceição Evaristo, entre outros e outras.

Entre as muitas coisas que estes escritores e escritoras me ensinaram, está o fato de eu querer profundamente estar entre eles, fazendo parte do mundo das histórias, dos poemas, dos romances, dos contos, pois aquilo tudo me encantava. Hoje sou escritor e devo dizer que nada disso teria acontecido se não fossem muitas pessoas – os meus pais, claro, os primeiros a me contarem histórias, a Dona Marieta, e a tanta gente que entendeu o meu amor pelos livros e começaram a me presentear com eles. Mas essa história só foi possível existir por causa do pé de ameixa. Acredito mesmo que se não fosse ele eu não estaria aqui escrevendo essas lembranças. Essa árvore me acolheu como um fruto, cuidou de mim e dos meus sonhos, afagou a minha imaginação e moldou a minha existência de tal maneira que digo sem hesitação que eu sou essa árvore e essa árvore sou eu.

Recentemente, fui até o local onde ela estava para, depois de tantos anos, pois minha avó se mudara para outra casa, vê-la e abraçá-la, mas… O pé de ameixa já não existe mais. As nossas histórias não são as histórias dos outros e é por isso que devemos escrevê-las – para salvá-las… O pé de ameixa foi arrancado para, em seu lugar, ser construído uma casa. Não cheguei a entrar. Preferi voltar. Mas… Eu disse que ele não existe mais? Não é verdade!

Em uma dessas noites, sonhei que voltei lá onde ele ficava. E no meu sonho ele estava onde sempre esteve, no mesmo lugar. Quando apareci no portão da casa e ele me viu, os seus galhos balançavam tanto, mas tanto, que eu cheguei a ver um sorriso em toda a árvore. Corri a abraçá-la e a acariciá-la e esse acontecimento foi tão real que ficamos os dois assim por um grande tempo. Acordei em meio ao abraço dessa árvore que até agora, quando escrevo, é possível sentir.

Pois é, o pé de ameixa existe sim! Não apenas em meu coração, mas até no meu corpo, pois, uma vez, ao escorregar da árvore, os seus galhos, na iminência de salvar-me, amparou-me na queda deixando uma cicatriz em meu braço. Mais do que isso, ele existe onde hoje é a minha forma de viver e cuidar da minha família e de tantos alunos e leitores, fazendo com que essa história continue. Sua lembrança em mim é tão marcante e sua importância tão grandiosa, que anos depois, já formado, casado e pai – afinal, lembre-se que eu tinha apenas 7 anos de idade – recriei o mesmo pé e dei a ele o nome de Árvore das Letras… Tenho certeza que esse sonho, esse abraço foi um pedido de agradecimento.

Mas mesmo assim, mesmo fazendo existir essa Árvore, senti-me no dever de devolver a ela o acolhimento. Assim, na cidade onde hoje eu moro, a 550 Km de Belo Horizonte, vi um pé de ameixa na casa de uma senhora… Fui até essa casa, chamei a senhora e contei para ela toda essa história. O pé estava cheio de frutas, que ela, entendendo a importância do momento, me deu um cachinho, que levei para casa. Nunca o sabor da fruta me fora tão delicioso! Sabor de lembrança… Das sementes que sobraram, plantei-as em vasinhos e de todos os vasinhos um germinou. Estou cuidando dele com muito carinho, mas todos sabem que um pé de ameixa é uma árvore de grande porte, com raízes bem profundas. Eu não tenho um local para plantá-lo definitivamente… Mas uma pessoa tem! E sei que essa pessoa entenderá perfeitamente o sentimento que aí existe e saberá cuidar muito bem dele.

20191205_124733

20191205_124842

Pois é, mano velho, estou cuidando da Árvore das Letras enquanto ela é essa mudinha e preparando-a para viajar até sua chácara em Curitiba. Cuida dessa árvore para mim, sabendo que ela é a minha história e, sendo assim, é uma parte minha que estará plantada aí… Fico muito feliz em saber que assim essa história estará transpondo fronteiras e esse pé de ameixa ficará enorme para, quem sabe, um dia uma outra criança suba nele para ler um livro…

SOMOS TODOS POLICARPOS?

triste-fim-de-policarpo-quaresma-og

Por Leandro Bertoldo Silva

Ao final do mês de outuro, estivemos juntos eu, Adelson e Tité – grandes amigos – para trocarmos impressões sobre este que foi o nosso terceiro livro lido no grupo NOVOS LEITORES. Triste Fim de Policarpo Quaresma, do “Policarpo” Lima Barreto, nos levou a muitas reflexões, inclusive quanto ao próprio ato de acreditar na leitura…

Policarpo Quaresma era um visionário por acreditar que poderia viver integralmente os seus ideais. Vimos isso logo na primeira parte do livro quando ele busca adequar seu dia a dia a tudo que é tipicamente brasileiro: comidas, música, roupas e se aproxima até mesmo da cultura indígena e do tupi-guarani.

Fica muito evidente a crítica política e social presente no livro, quanto da tentativa do Major, que não era assim militar, mas apenas um homem culto que tinha muitos livros (por que alguém deveria ter tantos livros em casa?…), que acreditava no Brasil e que em nossas terras nunca haveria de ter seres humanos sem escrúpulos e que seriam capazes de fazer as coisas “do seu jeitinho”, ou, pelo menos, fingindo fazer…

Navegar por esses mares é dizer o que está evidente: Quaresma – o nosso “Dom Quixote” brasileiro por acreditar que “em se plantando tudo dá”, pois, afinal, vivemos em um país tropical e amável, rico e perfeito e com pessoas que levam a integridade como forma de vida, era mesmo de ser chamado de louco. Será?

Oh, Quaresma… Aí está o seu triste fim ao descobrir, abandonado, que as coisas não são exatamente como parecem ou como gostaríamos…

Aqui fizemos um recorte triste de um fim evidenciado – mas não aceitável – dos leitores do Brasil. Curioso pensar que um dos elementos mais importantes do livro é exatamente a biblioteca do Major, pois nela Quaresma passa a maior parte do seu tempo “isolado” em anos de leitura e estudo que vai fazendo crescer o seu nacionalismo, mas… Para quê? Livros são mesmo muito perigosos…

2019-11-03_07.08.48

Mas não foi bem esse o recorte que nos levou à reflexão quanto a acreditar na leitura como fator essencial e prioritário de nossos afazeres. Talvez a vontade de ler e criarmos grupos com esse propósito seja apenas uma bobagem… Talvez esses livros sejam péssimos. Talvez sejamos todos Policarpos ao achar que livros mudam pessoas e que possamos mudar o mundo…

Nessa altura o vinho já havia acabado e um silêncio profundo nos levou cada qual à sua cela à espera que uma melodia – não a “modinha” da leitura – mas talvez o rock pesado do incômodo barulho possa nos colocar de frente ao espelho de nossas escolhas e atingirmos com verdade o “coração dos outros”…

Vamos à Clarice…

ALFORRIA LITERÁRIA – UMA NOVA FORMA DE FAZER LITERATURA

Alforria Literária

Começo esta apresentação com um pensamaento de Mia Couto…

“O que faz andar a estrada? É o sonho. Enquanto a gente sonhar, a estrada permanecerá viva. É para isso que servem os caminhos, para nos fazerem parentes do futuro”.

CONHEÇA A ALFORRIA LITERÁRIA, UMA NOVA FORMA DE FAZER LITERATURA

IMG-20180630-WA0003

O meu nome é Leandro Bertoldo Silva e eu sou escritor independente. Sou o criador da Árvore das Letras – um espaço de linguagem, leitura e escrita – e do selo Alforria Literária pelo qual publico os meus livros.

Durante o ano de 2017 e já início de 2018, recebi alguns contatos de leitores interessados em adquirirem os meus livros. Curioso que todas as pessoas, e isso já vinha acontecendo há algum tempo, queriam comprar os livros diretamente comigo, embora estejam disponíveis para venda na maioria das lojas online espalhadas pela internet e em plataformas de autopublicação. Isso é totalmente compreensível, uma vez que no final o livro sai a um preço muito alto para o leitor, e estamos falando do livro físico, que é a preferência de 10 a cada 10 leitores que me procuram…

Isso reforçou o meu posicionamento e a minha escolha de ser um escritor independente, a partir do momento que, por outro lado, eu recusei a proposta de contrato de duas editoras por não achar vantagem ao analisar todas as condições, e me ver preso simplesmente ao ego de ter os meus livros expostos em livrarias.

Foi assim que ganhou força a ideia da “Alforria Literária”, um selo criado por mim e pelo qual publico os meus livros, decidido a trilhar um caminho diferente, onde eu possa assumir todas as etapas do meu trabalho – da escrita à distribuição dos livros.

Nada tenho contra as editoras e as plataformas de autopuplicação; apenas acredito em outras possibilidades, ainda mais na realidade de hoje em que a vida exige mais consciências. Por isso, na minha natureza de enxergar propósito em tudo o que faço, desenvolvi a minha própria publicação sob demanda, na qual os meus livros são impressos em papel ecológico, inteiramente personalizado com fibras de material orgânico e tinta natural, numa verdadeira artesania literária, sendo o miolo do livro de papel reciclado, demosntrando um valor importante na preservação do meio ambiente, através do uso de recursos renováveis.

Esse processo é desenvolvido através de uma verdadeira “máquina de fazer livros”, em que a sintonia entre literatura e ecologia está presente, como se verá.

Faça a sua parte sem medo de ser simples

MEU PROPÓSITO LITERÁRIO

Vivemos no Brasil uma crise editorial muito grande, e essa crise não é somente financeira, mas mercadológica, eu diria, até, midiática. Isso porque a maioria das editoras tradicionais valoriza apenas o que é “vendável”. Não há problema nisso se entendermos que são empresas e, como tais, privilegiam o lucro. Mas a troco de quê? O que elas devolvem ao consumidor-leitor é que é um grande questionamento, pois basta entrarmos em livrarias para nos depararmos com uma imensa quantidade de livros traduzidos e os chamados “best-sellers”. E os novos escritores? Quase sempre ficam sem espaço. Ou escrevem o que as editoras querem vender ou possuem um alto poder de investimento, o que nem sempre é possível. As consequências são terríveis, pois isso contribui, entre outras coisas, para o sumiço de uma literatura genuinamente brasileira que ficou no passado.

MiaO escritor moçambicano Mia Couto, em uma entrevista, diz que até às décadas de 60/70 a literatura brasileira ainda era vista como referência para os próprios brasileiros e para outros países, como em África, por exemplo. Ele cita Jorge Amado e todo o seu universo místico, de religiosidade, capoeira, que tem raízes africanas. Cita, ainda, em outro contexto, João Cabral de Melo Neto, Guimarães Rosa, Manoel de Barros, entre outros. Hoje já não há mais essas referências. Segundo ele, “chegam as novelas, mas não chegam os livros”. Ora, se não chegam os livros, não chegam os autores. E para um momento em que, através das inúmeras plataformas de autopublicação existentes, surgem a cada dia tantos “escritores”, onde eles estão? É claro que quantidade não é sinônimo de qualidade, mas em meio a tantos há de ter alguém, e esse alguém não é um só, são muitos.

É neste contexto que surge a Alforria Literária com o claro propósito de liberdade.

POR QUE ALFORRIA LITERÁRIA?

Alforria Literária é mais do que um selo ou uma marca editorial, é um caminho que eu escolhi para mim enquanto escritor. E sabe por quê? Porque escolhi ser livre! Porque decidi assumir que eu sou, assim como você também é, criador da sua própria realidade. Se há uma expressão que possa definir a Alforria Literária, é: POR QUE NÃO?

Por que aceitar o que boa parte das pessoas diz sobre o caminho que a escrita e a carreira literária deveriam trilhar? Não posso ser o criador da minha própria experiência? Não posso eu definir o que eu quero e “como” eu quero? Sei que muitos pensarão: “porque é assim! Porque se você estiver fora das editoras e das lojas você estará fora do jogo”. Será?

encontro direto com leitores

encontrando amigos

‘Se milhares de pessoas estão indo por aqui, então vá por ali…’

 

 Não me recordo onde eu li essa frase, mas ela tem para mim muito mais sentido, além de dialogar com a minha pergunta: POR QUE NÃO?

Ouço e leio constantemente variações de uma mesma versão que é o seguinte questionamento: ‘o que as editoras querem?’ É incrível como que o sistema com suas redes gigantescas nos pressionam e tenta nos convencer de que a maneira delas é mais do que a melhor, mas a única. E mais impressionante ainda é como boa parte das pessoas acreditam nisso e vai abandonando o prazer de guiar a própria vida e a própria escrita num verdadeiro desejo mimético. Passam a achar que é mais fácil adaptar ao que os outros consideram bom para elas do que tentar descobrir por si mesmas e abrir novas possibilidades e caminhos. E com isso, quantos escritores vão abdicando de um fundamento básico, ou pelo menos deveria ser, que é a total e absoluta liberdade de criar, não apenas o conteúdo, mas a forma…

Deixa eu dizer uma coisa: não há satisfação maior do que ser criador da nossa própria experiência, e a pergunta que eu faço através da Alforria Literária é absolutamente o contrário em relação à variação acima. Mais importante do que pensar de que há lugar para todos, é saber que esse lugar nunca será o mesmo.

O SIGNIFICADO DA MARCA ALFORRIA LITERÁRIA

sustentável preto

O desenho representa um pince-nez, modelo de óculos utilizado até início do século XX, que utilizava uma pinça para prender na ossatura do nariz (nez = nariz).

pince-nez

De modo mais direto e objetivo faz referência, ao mesmo tempo homenagem, ao grande escritor Machado de Assis (1839-1908), que utilizava um pince-nez, presente em quase todas as usas fotografias.

machado-de-assis-1398195815361_200x285

Indica a perspicácia característica do observador do mundo, que transcreve sua visão em forma de letra. Indica o olhar profundo que enxerga a realidade além das aparências. Enfatiza mesmo o olho, janela para o mundo, espelho da alma. Neste caso, Machado de Assis é um escritor que enxerga longe, lança luz onde havia sombras. Este é um ótimo sentido para melhor compreender a Alforria Literária.

Mas há uma complementação dessa ideia trazida pelo filósofo e psicanalista Angelo Pereira Campos que enriquece muito a Alforria Literária através de uma antiquíssmia simbologia: o Olho de Hórus.

m2

Símbolo da divindade egípcia, Hórus, filho de Osíris.  Hórus é o deus com cabeça de falcão. Não por acaso, o falcão encontra-se entre os animais de maior acuidade visual. Sua visão alcança uma pequena presa em até dois quilômetros de distância.

Os olhos de Hórus, na mitologia egípcia, sinalizam o Sol e a Lua. Trata-se de uma metáfora da luminosidade, do dia e da noite. Em batalha contra Set, Hórus perde o olho esquerdo, símbolo da Lua.

Neste caso, o olho representado na imagem da Alforria Literária é o direito, símbolo do Sol. Portanto, uma referência direta à luz, à claridade, logo, ao esclarecimento que a literatura nos ajuda a construir ao longo de nossa formação, que, claramente, dura a vida inteira. Desse mesmo modo, encontramos nestas metáforas literárias um sentido maior para a clarividência, que está a nos impulsionar para a liberdade, para a alforria.

m3

A MÁQUINA DE LIVROS “PAULA BRITO”

Oficina de livros2

 

O aspecto fundamental da Alforria Literária é eu ser a minha própria produção sob demanda, ou seja, eu mesmo editar e publicar os meus livros e poder enviá-los para qualquer lugar do Brasil. Para isso, foi confeccionada a minha “máquina de livros”, que carinhosamente chamei de ‘Paula Brito’, em alusão a Francisco de Paula Brito, proprietário de uma livraria no antigo Lago do Rocio no século XIX, atual Praça Tiradentes, no Rio de Janeiro. Mulato, autodidata e oriundo de meio humilde, Paula Brito trabalhou como tipógrafo, impressor de livros e jornais, fundando a Marmota Fluminense numa época em que o analfabetismo era gigantesco em nosso país. Além disso, sua importância foi fundamental para acolher um mocinho acanhado, também mulato, brilhante e que faria história: Machado de Assis…

20180106_143210

Essa máquina foi cuidadosamente feita com madeira de Ipê reaproveitada de sobra de demolição e guardada por muitos anos. As mãos talentosas que a moldaram são de Egídio Souza, um luthier que, para quem não sabe, é um termo derivado do francês ‘luth’, que significa ‘alaúde’. Ele dá nome ao profissional especializado em construir instrumentos de corda, tudo feito de forma artesanal, um a um. Trata-se de uma das profissões mais antigas e que já está em extinção, mas que eu tive a sorte de conhecer um e de ter se tornado um amigo. Ainda sobre o propósito das coisas, não poderia ser maior uma vez que se institui uma parceria entre a literatura e a música, sendo eu um escritor inteiramente musical.

Isso vem mostrar que quando as coisas estão em sintonia com nossos desejos elas ganham força! A Alforria Literária já conta com três máquinas “Paula Brito” e os meus livros já foram enviados para várias cidades, como Belo Horizonte, Pernambuco, Curitiba, São Paulo e outras, além de projetos em escolas no Vale do Jequitinhonha onde alunos estão se tornando autores graças à evolução desse trabalho. Um dos meus objetivos é que o livro em si, além do seu conteúdo literário — que é o meu trabalho de escritor — seja um objeto de arte digno de ser admirado e guardado.

Bem, é isso! Estou pronto para fornecer os meus livros com muita qualidade e segurança, enviando-os a qualquer lugar do Brasil a um valor justo e acessível. Saiba sobre eles clicando AQUI! E lembre-se:

O surgimento de novos talentos passa pela sua permisão de experimentar. Permita-se! Leia escritores independentes.

IMG-20181127-WA0034

Quer saber mais e falar diretamente comigo?

ENVIE UM EMAIL PARA 

leandrobrsilva@hotmail.com

Siga no Instagram: @arv.das.letras

LEITURA SOLIDÁRIA

LIVROS QUE GERAM LIVROS EM FAVOR DE UMA CAUSA

Já imaginou comprar livros e ajudar crianças a terem acesso a mais livros ao mesmo tempo?

Árvore das Letras firmou uma parceria com a Escola Estadual da Vila São João, na pequena cidade de Padre Paraíso, no Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais. É uma escola que contempla alunos de 1º ao 5º anos do Ensino Fundamental. Com o objetivo de aumentar o acervo da biblioteca da escola, que passa por essa necessidade, a cada 3 livros O Menino que Aprendeu a Imaginar vendidos, o valor de 1 (um) será destinado à compra de outros livros infantojuvenis a serem doados à escola no início do ano letivo de 2020.

Essa é uma ação de responsabilidade social que eu, Leandro Bertoldo Silva, como escritor, tenho o prazer de assumir através da Árvore das Letras e do selo Alforria Literária.

O livro é de minha autoria, com ilustrações de Adilson Amaral e feito sob demanda na máquina “Paula Brito” em papel reciclável e capa de papel ecológico.

– Porque eu ainda acredito em livros!-

porque eu ainda acredito em livros

O motivo pelo qual eu ainda acredito em livros é porque eu ainda acredito nas pessoas, e livros transformam pessoas. A leitura é uma poderosa ferramenta para a transformação social a partir do pessoal. E ler é resultado de estímulos constantes, que aos poucos se torna uma questão de gosto, escolha e atitude. Para isso é necessário ter acesso aos livros, principalmente na infância. É por isso que estou aqui.

20191015_172542
Praça João da Silva, nº 835 – Bairro Vila Vieira – Padre Paraíso/MG. Diretora: Kelen Jardim.
20191015_140841
Bairro Vila Vieira, conhecido carinhosamente como Arraial.
vila
Contando histórias para os alunos
vila1
Não basta ir à escola… Tem que estar no meio da turma! Calor e afeto…

– Faça parte dessa ação social –

Para participar da Campanha Leitura Solidária e ajudar o acervo da biblioteca da Escola Estadual da Vila São João, basta comprar o livro O Menino que Aprendeu a Imaginar. Um livro que você comprar já estará ajudando no somatório final. A cada 3 livros vendidos o valor de 1 (um) será destinado à compra de outros livros a serem doados à escola.

– O livro –

O Menino que Aprendeu a Imaginar

Número de páginas: 60

Edição: 1º (2019)

ISBN: 978-85-5697-846-2

Valor: R$30,00

IMG-20190429-WA0014

Um dia nunca é igual ao outro para quem tem um livro nas mãos… Chateado por não ter nada de diferente para fazer, Oswaldo fica dentro do seu quarto cheio de lamentações quando um grande livro de histórias que fica bem no alto da estante cai “sozinho” no chão. O susto, já enorme, aumenta ainda mais quando o menino percebe que não foi um acidente, mas obra do seu brinquedo predileto: um lindo palhacinho de roupas coloridas e chapéu de guizos. Gesticulando e dando mil cambalhotas, o palhacinho conduz Oswaldo a mundos que ele não conhecia, como a casa de um caçador onde entra, disfarçado de menino, o temível bicho Mapinguari; Vê a chuva cair lá fora levando nas enxurradas um barco de papel e, dentro dele, uma criança cheia de imaginação; E o que dizer de uma professora bem diferente ao apresentar à turma o seu amigo Geógrafo, um Atlas falante? Repleto de surpresas, a história reserva ainda uma muito maior no final que, certamente, fará meninos, meninas e até adultos terem outros olhos para a leitura e para os livros.

– Como comprar – 

Os livros são enviados para qualquer lugar do Brasil pelo sistema módico dos correios, o que acrescenta um valor de R$10,00 no preço do livro. O sistema módico é válido para um peso até 500g. Acima desse peso (no caso de um número maior de livros em um mesmo envio), o mesmo só pode ser feito por postagem normal ou sedex, à escolha do leitor, e o valor depende dos serviços dos correios.

ATENÇÃO!

Como a produção é sob demanda, a mesma requer um agendamento para a confecção dos livros que varia de acordo com a quantidade a ser feita. Portanto, os dados para pagamento e prazo de entrega só serão informados mediante o contato prévio do leitor que deverá ser feito pelo email:

leandrobrsilva@hotmail.com ou, ainda, pelo whatsapp (33)98437-0072.

Essa campanha irá até o final de 2019

PARTICIPE!

Vamos aumentar o acesso aos livros dos alunos da Vila São João.