DIÁRIO DE VIAGEM QUE BEM PODERIA SER: PARE O ÔNIBUS QUE EU QUERO DESCER

Por Leandro Bertoldo Silva

Existem muitas histórias em nossas vidas e até dariam um filme. Como não sou cineasta e sim escritor, deixo registrada aqui uma viagem a começar com meus itens básicos em minha bolsa tiracolo…

Livro, diário, caneta, caderno de anotações, carteira, dinheiro, passagens. Chiclete, celular, lenços de papel e óleo essencial. Máscara, vidro de álcool.

— Nossa, parece até bolsa de mulher! — disse com um sorriso minha esposa na rodoviária, ao aguardar comigo a chegada do ônibus que teimava atraso. Junto dela, meu sogro, minha sogra e minha filha também esperavam pacientemente – meu sogro nem tanto assim – o momento de despedirmos, pois chegava a hora de iniciar uma longa jornada de viagem de Minas a São Paulo até a casa dos meus pais.

Sim, a distância é longa, no entanto mais longo é o incompreensível atraso típico dos brasileiros presente em todas as ocasiões, e isso se deu logo no início antes mesmo de começar. O ônibus estava marcado para sair às 21h30 de Padre Paraíso com destino a Belo Horizonte e lá estava eu às 21 horas pronto para o embarque. O ônibus, porém, proveniente de Araçuaí, ainda estava a caminho. E a caminho ficou por 15… 25… 30… 45 minutos, 1 hora sem nada acontecer a não ser uma chuvinha miúda e fina para aumentar o frio.

Quando finalmente o ônibus apontou na pista, as despedidas se sucederam, para total alívio do meu sogro, o qual rapidamente se transformou em agonia ao escutar o agente de viagem falar ao me aproximar com as bagagens:

— Sua passagem é de 21h30?

— Sim…

— Então aguarde, por favor, porque este é o ônibus das 20 horas.

Fiquei perplexo por 45 segundos, mas logo consegui convencer minha esposa e todos a fazer valer aquelas despedidas e, assim, lá fiquei eu sozinho no frio e na chuva por mais algum tempo até a chegada do ônibus das 21h30.

Tempo, tempo, tempo, tempo… Já cantava Maria Bethânia! E eu precisei fazer um pedido ao senhor sentado no meu lugar quando, após uma longa espera, enfim poder entrar no ônibus às 22h40.

— É… O senhor está sentado no meu lugar.

— Jura?! Eu jurava ter lido o número do assento certo. Espere um pouquinho, vou conferir…

— Olha, não precisa; eu não me importo! Eu sento aqui do lado mesmo. É só o senhor arredar um pouquinho, e…

— De jeito nenhum! O certo é o certo. Se o senhor está dizendo que eu estou sentado no seu lugar, precisamos conferir.

— Meu senhor, não precisa. Eu só disse porque…

— Ahá! Viu só? Se disse é porque o senhor quer viajar no seu lugar, certo?

— Todo lugar é lugar, meu senhor… Eu só quero é começar logo a viagem.

— Mas ela já começou…

— Para o senhor sim, mas para mim… Bem, pode ficar em seu lugar. Eu me sento aqui ao lado mesmo.

— Mas o senhor não disse: “o senhor está sentado no meu lugar”?  Então o lugar é seu!

— Disse, mas pode ficar com ele.

— De jeito nenhum!

Nisso o ônibus pelo menos já tinha partido e eu lá em pé sem conseguir convencer o homem a não se incomodar. Depois de aproximadamente cinco minutos ou um pouco mais e de revirar todos os cantos das bolsas em seu colo, ele finalmente encontrou a passagem no bolsinho da camisa.

— Olha, que cabeça a minha… Eu jurava ter colocado a passagem em alguma das bolsas. Ih, olha só… — disse ajeitando os óculos — Eu também jurava ter lido certo o número da poltrona. A minha é essa outra. Mas uma vez aqui, se importa se eu ficar nessa mesma e o senhor ir aí ao lado?

Ou aquele homem não batia bem ou estava gozando da minha cara! Apenas me sentei e disse a ele:

— O senhor jura demais!

— Sou muito religioso, sim senhor.

A partir daí, acomodei no lugar, coloquei o cinto de segurança, esborrifei álcool para todo lado, fechei os olhos, indiferente ao som longe de um ronco, e…

— Moço, desculpe, mas o senhor poderia trocar de lugar comigo?

Já ia perder as estribeiras quando vi se tratar de outra pessoa a me chamar. Dessa vez era uma moça bem nova ainda, quase menina, e me olhava com olhos um pouco assustados. Nem foi preciso esforço para adivinhar: ela, moça, ao viajar sozinha pela primeira vez, estava insegura, para não dizer medo mesmo, de ficar lá atrás do ônibus na companhia de pessoas desconhecidas. Tudo bem na frente também serem pessoas desconhecidas, mas…

— Minha mãe disse para eu tentar trocar de lugar com alguém caso eu…

— Sim, sim, tudo bem, eu compreendo. Onde você estava sentada?

Ela estava sentada muito atrás, bem ao lado do dono do ronco cujo som já não era mais longe, mas perto, insuportavelmente perto, sem contar o cheiro igualmente insuportável do banheiro. Desconfio daquela moça… Ela até podia ser uma menina ainda, mas suspeitei ter caído no maior conto do vigário. Não por acaso os olhos assustados e pedintes dela me lembraram de um certo gato do filme Shrek, mas quem poderia ter certeza? E se a suposta simulação existisse apenas na minha cabeça? Assim, passei a viagem toda sem pregar o olho e sem o roncador acordar sequer nas paradas. Ao chegar a Belo Horizonte debaixo de chuva, ainda bem para esfriar a minha cabeça, ouvi do incômodo companheiro:

— Nossa! Já chegou? Como passou rápido…

E era apenas a metade do caminho…

Tempo, tempo, tempo, tempo… Assim esperei pelas ruas e rodoviária de BH de 8h. até às 21h45 quando, por fim, chegou a hora de embarcar para a cidade de Marília, em São Paulo. Bem, “chegou a hora” é modo de dizer. Na verdade, a passagem havia sido marcada para esse horário e, antes mesmo de chegar a Belo Horizonte recebi uma mensagem da empresa de ônibus a perguntar se eu me importava em trocar o meu horário para 20h., mas sem explicar bem o motivo. Respondi positivamente, pois esperaria menos tempo para iniciar a viagem para Marília. Ao desembarcar na rodoviária em BH, dirigi-me ao guichê da companhia para certificar aquela mensagem e pedido. Dois funcionários lá estavam, mas não sabiam do ocorrido. Porém, ao verificarem no sistema de passagens viram que os horários já estavam trocados conforme minha autorização. Tudo resolvido, e apesar daquela desconfiançazinha típica do mineiro, esperei até a hora do embarque com a pulga atrás da orelha. Às 19h45 o sistema de som da rodoviária anunciou: “senhores passageiros, faltam 15 minutos para a próxima partida. Ocupem seus lugares”. Lá fui eu para a plataforma de embarque ocupar meu assento — dessa vez esperava ser o correto —, quando, ao querer ligar para minha esposa e dizer que tudo estava bem, percebi o celular sem bateria. Certo, 15 minutos é o suficiente para conectar o celular na carga, falar com ela e entrar no ônibus. Subi novamente com toda a bagagem as escadas até ao saguão onde ficam as tomadas de recarga, conectei rápido o celular que teimava em demorar a ligar. Nisso aquele friozinho na barriga já começava, pois o ônibus esperava ligado lá embaixo. Já estava ali mesmo, então insisti na ligação, pois minha esposa ficaria muito preocupada se eu não desse notícias. Finalmente consegui falar com ela, puxei rapidamente o telefone da tomada e fui desembestado tropicando pelas escadas em direção ao ônibus batendo as bolsas em todo mundo. O motorista e o agente, após conferirem a passagem e acomodarem as malas no bagageiro, me autorizaram a entrar e eu, coração acelerado, sentei-me aliviado até perceber algo o qual me fez rir de nervoso: em todas as poltronas, inclusive a minha, havia entradas USB para recarregar celular… Seria cômico se não fosse trágico! E não digo isso pelo fato acabado de ocorrer, mas de um problema de última hora, o qual fez com que o ônibus antes marcado para às 21h45 e passado para 20h., saísse somente às 22h30.

A viagem transcorreu normalmente sem percalços nem nada, tirando apenas duas chateações… Os vinte e oito reais pagos em uma xícara de café com pão em uma parada, onde só então entendi o porquê de nos entregar na entrada uma plaquinha com um código de barras e só anunciar o valor do pedido no caixa na hora de pagar e, consequentemente, depois de ter comido, e a distância que era longa, longa demais! Parecia até aqueles probleminhas de matemática do tempo de escola… “Leandro saiu de Padre Paraíso, em Minas Gerais, às 21h45 de quinta-feira para chegar a Marília/SP, sábado, às 11h30, com parada prevista de 14 horas e 30 minutos em Belo Horizonte até a próxima partida. Considerando que o ônibus espacial da NASA até à lua, passando por Júpiter e fazendo uma escala pelos anéis de Saturno é 10 vezes mais perto, quanto tempo levaria para ele gritar SOCORRO??”

Brincadeira à parte, a viagem se mostrava mesmo muito longa, e o motorista a cada rodoviária na qual entrávamos – e entramos em todas, cidade por cidade – gritava duas vezes como se fosse para certificar a distância: “Rodoviária de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto; Rodoviária de Baurú, Baurú…”. E de repetição em repetição, de cidade em cidade, cheguei ao meu destino muitas horas à frente do previsto e com muita história para contar.

A volta? Bem, até contaria se não fosse o frio do ar condicionado do ônibus e eu sem blusa por tê-la esquecido na casa dos meus pais. Além disso, a minha companheira de assento, devido ao seu porte físico um tanto avantajado, ocupava o dela e a metade do meu. E eu ali, espremido entre o anelo e o suspiro, ou melhor, entre a minha sobra e o braço da cadeira. Assim, não pensava em mais nada. Eu só lembrava a minha irmã ao dizer:

— Tudo pronto para iniciar a viagem planetária? Saindo hoje para chegar só sábado, se fosse de avião chegaria ao Japão.

Seria uma boa pedida se na minha cidade existisse aeroporto… Como não tem, fui a novas aventuras, intercalando em minha cabeça novos probleminhas matemáticos que no meu tempo ainda mantinham todos os atrativos de uma boa história como aquelas que eu vivia.

_______________

** Mais uma vez grato pela sua leitura. E se esse texto te fez lembrar alguma viagem que tenha vivido, diz aí nos comentários. A propósito, lembro que no meu tempo de escola a professora sempre pedia para escrevermos uma “composição” com o tema: “Minhas férias”… Se lembra disso?

Forte abraço!

2 comentários em “DIÁRIO DE VIAGEM QUE BEM PODERIA SER: PARE O ÔNIBUS QUE EU QUERO DESCER”

  1. Leandro: isso ai…
    No Brasil funciona assim, no ” des-rigor” de horarios e etceteras….
    Mas na fronteira entre Seatle (USA) e Vancouver( Canada), é o extremo oposto. Vejam:

    Fui ao casamento do filho de uma grande amiga, desde o Mestrado que cursamos juntas na costa keste fis Estados Unidos.
    Sua familia é americana de atestado de nascimento, mas decoração ❤️ latino. Assim, nos tornamos meia – irmas, até os dias de hoje, passados 40 anos.

    Larguei as festas, comprei passagem de onibus, viagem de poucas horas, mas que se tornaria um pesadelo.
    Fui barrada na fronteira.
    Fila comprida, para ter o passaporte carimbado.

    -“A sra. nao tem o “visto” para entrar no Canadá”.
    -“Wow, what am I supposed to do now”?
    – “A sra pegue sua mala, caminhe até o outro lado da estrada, e tente arranjar uma carona pra voltar a Seatle. Hoje é sabado, portanto, terá que aguardar o consulado abrir 2a, e na 3a nos encontraremos aqui, novamente. Por favor, nao discuta. Nao abrimos precedentes, nem por morte ou doença. Saia rapido, pois a fila aqui é sempre grande. Muitos onibus param. Aqui é rota turistica de grande escala”.

    Não entrarei em detalhes, mas voces
    podem imaginar o desfecho dessa novela.
    Uma ” jovem” de 45 anos, idealista e corajosa, agora entregue aos ursos🐻 da região, tendo por companhia uma guarita e 5 doldados armados, um pequeno banheiro e nada de comida..
    Sol poente e vento de outono anunciando a 🌃.noite.
    Não era época de celular…portanto me dariam por desaparecida, raptada ou me encontrariam na barriga do Lobo Mal, depois de uma denúncia providenciada pelo marido que estava no Brasil.

    Deitei em cima da mala, agarrei no cachecol, desistida de ficar mais 5 horas aguardando uma alma cristã que parasse o carro, acreditando que ali se encontrava, não uma sequestradora fantasiada de boa menina, mas uma alma de bem ingenua e desinformada da burocracia.

    De novo, fica a sintese do final feliz, pois os entremeios são longos.
    Um dos guardas comprou minha causa, parando um onibus vazio, que deixara turistas famintos por um navio que os levaria pelo Akaska , e que fazia a rota de volta a Seatle.
    Quase desfalecida, agradeci e fui recebida por um motorista alto e de cabelos longos, amarrados com gominha…um hippie bem sucedido como eu, nos idos anos 70.

    Tive mefo ou desejo daquele salvador da patria?
    Assentei no último banco, adormeci com tímidez e acordei com esse ser de luz me cutucando, oferecendo agua e seu sanduiche de lanche:
    –“Já passei muito perrengue como.o.seu. Aceite com gosto essa recepção e em 2 horas te deixo onde quiser, ” safe and sound”.”

    Ele falava algumas palavras de portugues, conhecia o carnaval do Rio de Janeiro, e quase recebi uma oferta de casamento, junto ao sanduiche de 🦃 presunto parma e queijo Ganapadano, que me ofereceu gentilmente, em vez de saborea-lo, seu direito por serviço prestado.
    Agora a fome seria dele.
    Gostaram?
    Depois falam que Deus nao existe!

    -“

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s