POIS É…

Por Leandro Bertoldo Silva

— Oi, amiga! Vi que você está on-line. Está Podendo falar?

— Oi, amiga! Claro, está tudo bem?

— Mais ou menos… Eu vou ter que digitar* porque o meu filho, o Artuzinho, está perto de mim e eu não quero que ele ouça. Nossa, menina… Estou muito preocupada com ele.

—O que ele tem?  Está doente?

— Não, bem, eu acho que não…

— Então o que foi?

— Você acredita que o Artuzinho agora deu para perder tempo com bobagens?

— Perder tempo com quê?

— Bobagens! Perder tempo com bobagens.

— Que bobagens?

— O Artuzinho está lendo. Livros!

— Jesus!

— Pois é… Você sabe que desde pequenininho ele sempre foi assim meio diferente… Mas agora deu pra isso! Passa o dia inteiro com um livro pra cima e pra baixo lendo. Até na escola!

— Até na escola?! E você procurou a diretora pra ver o que está acontecendo?

— Pensei nisso sim. Mas quando cheguei lá nem foi preciso conversar. Estava tudo absolutamente normal.

— Normal como?

— Todos os alunos estavam com seus celulares conectados, antenados no mundo.

— E o Artuzinho?

— Na biblioteca.

— Misericórdia! E você ainda fala que estava normal?

— Normal com todo mundo, menos com o Artuzinho. Como ele pode perder tanto tempo?

— Pois é…

— coloquei a melhor internet em casa, assinei vários canais de filme, futebol, tudo que os meninos da idade dele gosta e nada.

— Não só os meninos, não é amiga! Todo mundo.

— Por isso estou preocupada. Ele tem tudo e está deixando a vida passar. Só fica com aquele livro na mão. Sabe, estou pensando em procurar um psicólogo.

— Por isso não. Tem um aplicativo ótimo que resolve esse problem. É só você baixar e colocar todos os dados da pessoa e digitar no campo “assunto” o que está ocorrendo que ele dá o diagnóstico e indica o tratamento. E o melhor é que a pessoa, no caso o Artuzinho, nem precisa saber de nada.

— Mas isso é maravilhoso!! Ai, amiga… Eu sabia que seria ótimo falar com você. Sempre tão antenada, bem diferente do Artuzinho. Tá vendo as coisas maravilhosas que ele perde?

— Pois é…

— Ai, Nossa!

— Que foi?

— Ele está fazendo caras e bocas!

— Caras e bocas?

— Sim! Lendo o livro e fazendo caras e bocas.

— Isso tá ficando sério…

— Ai, ai, ai!!

— Que foi, que foi?

— Ele colocou a mão no rosto, balançou a cabeça e não tira os olhos do livro.

— Amiga, baixa logo o aplicativo e começa o tratamento.

— vou fazer isso assim que terminar de falar com você.

— Você consegue ver o que está escrito na capa do livro?

— Daqui está um pouco difícil, mas… deixa ver… Ai, não!

— O quê?

— Tem a palavra “crime” escrita lá.

— Minha nossa! Consegue ver mais alguma coisa?

— Espera um pouco… “castigo”… Crime e castigo… É o que está escrito: “Crime e castigo”.

— Hummm…. Isso não é nada bom. Consegue ver o nome de quem escreveu essa coisa?

— Olha… Nem se eu tentar acho que consigo decifrar.

— Digita aqui letra por letra.

— Boa ideia. D-O-S-T-O-I-É-V-S-K-I.

— Misericórdia! Nunca vi isso em lugar nenhum. Parece um código.  Olha direito. Deve ter um nome lá.

— “Fiódor”.

— O quê?

— É o que está escrito: “Fiódor”. Em cima do código.

— Nunca ouvi falar.

— Nem eu e nem quero, Deus me livre.

— Tem mais alguma coisa?

— Um desenho. Ai, que coisa horrível! Tem um desenho lá.

— Desenho de quê?

— De um rosto com olhos enormes.

— Amiga, a coisa tá muito séria.

— Oh, meu Deus! Por que esse menino não é normal igual aos outros?

— Calma, calma… Não faça movimentos bruscos. Finja que está tudo bem e vai saindo de fininho.

— Mas é o Artuzinho, meu filho!

— Eu sei, amiga. Mas pode ser perigoso. Ele tem feito algo estranho ultimamente, além de ler livros?

— Não sei. Você sabe como é, não tiro os olhos do celular.

— Claro que não! Você é como todo mundo! Tem uma vida normal. Ele ainda está fazendo caras e bocas?

— Ai, não amiga! Ele está fazendo algo pior!

— Pior? O quê?!

— Ele colocou o livro do lado, sacou um caderninho e começou a…. Meu Deus!

— Fala, fala!!

— Escrever! O Artuzinho está escrevendo!!

— Amiga, esquece o tratamento do aplicativo. Fique aí e não se mexa. Vou acionar a viatura e chamar o SAMU.

* Para melhor compreensão, as mensagens desse texto foram cuidadosamente traduzidas do internetês para a linguagem coloquial.

____________

Obrigado mais uma vez por estar aqui. Sua leitura é sempre um incentivador da minha escrita. Por isso, não deixe de curtir, comentar e compartilhar com seus amigos. Para um escritor é um presente valioso.

8 comentários em “POIS É…”

  1. Oi Lelê, meu amigo. Essa mãe desse menino ai é meio Lelé. Não é?
    Fiquei imaginando aqui ela acessando o tal App e rescendo um “diagnóstico” de que ela precisaria procurar um psiquiatra urgente para ELA mesmo (ou mesma?)

    Curtido por 1 pessoa

  2. … Pois é né, escritor Leandro. E tem uns outros poucos que também falam com a boca e com gestos.
    Nem tudo está perdido.
    Parabéns pela abordagem em tempos tão perdidos com perda de tempo.

    Curtido por 1 pessoa

  3. Pois é, Leandro, estamos precisando de mais “Arturzinhos”, mas eu conheço um. Tem dez anos, está no 6o ano, seus colegas de turma têm celular e ele não pediu, nem quer o tal aparelho, mas vive com um livro às mãos. Agora, está lendo em Inglês, no original. Parabéns pela crônica. Um abraço.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s