MAPINGUARI

Conta a lenda que existia na floresta um bicho esquisito que, dizem, comia gente… Chamava-se Mapinguari! Esse bicho eu sei que ninguém conhece, mas ele é conhecido de outro bicho que esse… Também ninguém conhece! Sabe que bicho era? Nada mais, nada menos do que o Rei Zilá, o Rei da escuridão… Bem, se isso é verdade eu não sei… O que eu sei é que essa história é mesmo de assustar, e começa assim…

Quero levantar da sombra

e o mundo dominar.

Quero fazer do escuro

um lugar pra se morar.

Quero um mundo diferente,

quero todo mundo respeitando a gente.

Quero um planeta sem cor,

quero que o perfume abandone a flor.

Eu sou Zilá, há, há, há, há!

Eu sou a sombra, há, há, há, há!

Faço do escuro um medo engasgado

e acato o lamento do choro vingado!

A sombra me aquece,

o terror engrandece,

a feiura estremece…

Eu sou o mestre!

Eu sou Zilá, há, há, há, há!

Eu sou a sombra, há, há, há, há!

Eu sou Zilá!

Caçador
Ilustração de Adilson Amaral

Só que nessa história não tem Zilá nenhum… Ele é só conhecido do Mapinguari, o tal bicho de nome esquisito que vivia na floresta! Ele era grande… Quase quatro metros! Tinha os cabelos vermelhos e as orelhas pontudas. Vivia no meio das árvores e imitava o pio dos pássaros… Fiu, fiu… prrrrit, prrrrit!

Em noite de lua cheia ele se transformava em menino, saia e entrava no terreiro das casas à procura de comida. Todos tinham medo dele, tinham medo da noite e tinham medo da lua…

— Besteira! Isso não existe… — diziam os mais jovens.

— Cuidado, meninos, com o bicho… — diziam os mais velhos.

Um dia, apareceu no terreiro da casa de um caçador um menino estranho. O caçador, ouvindo um barulho, foi até a janela, mas não viu ninguém. Até que ouviu um batido na porta…

TOC, TOC, TOC!

O caçador foi andando até a porta…

— É… Quem está aí?

— É o bich… Quer dizer, é um menino…

— Menino?!

O caçador, então, lembrou que aquela noite era noite de lua cheia! E já meio amedrontado, perguntou:

— E o que você quer, me-me-menino?

— Ah, apenas um pouco de comida!

Comida? Menino?! Lua??!! E o caçador já bastante amedrontado, perguntou:

— E o que, vo-você co-co-come, me-menino?

— Ah, qualquer coisa… Até mesmo um pedaço de pão!

Ah, que alívio! Não era o bicho, pois esse comia gente! O caçador, então, cheio de coragem abriu a porta…

NHÉÉÉÉÉÉ….

Quando ele abriu a porta… Sabe o que ele viu? Viu que, de fato, era um menino, e que ele tinha os cabelos vermelhos e as orelhas pontudas…

— Ai, meu Deus do céu!! É o bicho! É o bicho! Socorro, meu Deus do céu! Ai, ai, ai, ai, ai… Socorro! É o bicho, meu Deus!

— Sim, sou o bicho! Transformei-me em menino e vim me encontrar com o senhor!

— E vai me comer, bicho do mato?

— Do mato eu sou, do mato em vim, mas não vou comer ninguém… Vim para dizer que existo, mas não sou mal como dizem que sou!…

— Veio para dizer isso?! — perguntou o caçador admirado.

— Vim para pedir uma coisa! Não tenham medo de mim, como a todos os meus amigos animais. Vocês é que nos caçam, vocês é que nos comem e, muitas vezes, não por fome…

O caçador ouvindo isso abaixou a cabeça e, envergonhado, pediu desculpas pelas atitudes malvadas dele. Quando levantou a cabeça não mais viu o menino-bicho, que já havia voltado para a floresta. Ouviu apenas um som longo e fino sumindo pela noite.

Fiu, fiu… prrrrit, prrrrit!

Para ouvir o conto narrado, clique abaixo!

Aproveite para curtir o canal, dê um like, se inscreva e vamos divulgando a literatura!

Forte abraço!

Leandro Bertoldo Silva.

Um comentário em “MAPINGUARI”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s