FERIDAS ABERTAS, SOPROS DE LUZ

 

Por Leandro Bertoldo Silva, a partir da vivência da Estufa de Futuros: Modos de Convívio, Produção e Gestão na Cena Contemporânea, mediada por Cynthia Margareth.

y

Entre os dias 18 a 23 de junho aconteceu o FESTTO – Festival Nacional de Teatro de Teófilo Otoni, organizado pelo Instituto Cultural In-Cena, em que reuniram artistas, pensadores e formadores de opinião de várias cidades e regiões do Brasil numa troca efervescente de arte e cultura.

Teatro, dança, música, literatura, oficinas, encontros, rodas de conversa nortearam pensamentos e fortaleceram posturas em busca de um lugar melhor, mais justo e humano, onde as vozes puderam ecoar atravessando fronteiras e transformando sentimentos. Aprendemos que é possível falarmos outras línguas, que o medo e a intolerância em suas várias faces em tempos que atravessamos não são armas capazes de fazer calar. Não por acaso, o que nos conduziu nesses dias de trocas foi o “verbo e aquilo que nos afeta”; o verbo sim, nossa ferramenta de poder, porque ninguém cala aquilo que fala.

Tivemos, nós da Árvore das Letras, a grande oportunidade de estarmos inseridos no projeto Estufa de Futuros: Modos de Convívio, Produção e Gestão na Cena Contemporânea, mediada pela Cynthia Margareth, de Campinas/SP.

Nesse lugar dialogamos com vários grupos, colhemos depoimentos, ouvimos histórias… E mais do que isso, semeamos, entre tantos terrenos férteis, sementes de esperança e vimos brotar quase que instantaneamente frutos de coragem.

Transcrevo abaixo a essência do que vivenciamos de forma visceral nestes dias onde a luz soprou seus raios de vida.

 

g

Gente

Dentro de nossas inventações compartilhadas… ESTAMOS AQUI!

Encontramo-nos ou nos reencontramos em um MeiMundo de pessoas ávidas por Companhia (de teatro)? Ou, ainda, seríamos um Bando de artistas loucos que gritam suas coragens, estando sempre em busca de uma bela e Adorável Companhia?

Como diz Sophia de Mello Breyner Andresen: “Há momentos que são quase esquecimento numa doçura imensa de regresso”.

Sim, este momento de fala e escuta, mais do que um encontro, foi um regresso de almas, uma revisitação de nossas histórias que, por mais diferentes que sejam, tornam-se todas iguais, tornam-se nossas. Somos artistas, caras pintadas das emoções. Aonde vamos, aonde quer que vamos, voamos para Ser estrelas. E vamos juntos!

IMG-20190623-WA0001

 

IMG-20190622-WA0003

Durante esses dias, feridas foram abertas à procura de cura num desejo enorme por soluções… Oh, meus amigos… Deixe-me contar uma história, história de palhaço, que permeia o nosso imaginário e que aqui esteve e está tão presente entre nós…

Tinham-lhe tantas vezes pedido conselhos… Era o redentor de todos os sofrimentos que assolavam as almas em conflito, a ponto de impedir suicídios. Alegria – o palhaço da luz –, como era conhecido, escolheu as ruas como o seu picadeiro e nelas transformava pessoas. Agonia mudava-se em sonhos e medos em esperanças. Contudo, algo curioso acontecia: Alegria era triste… O homem por trás do palhaço não conseguia fazer consigo o mesmo que fazia com os outros, pois não tinha tido a sorte de encontrar alguém que o apresentasse a si…

Pois essa sorte nós tivemos! Encontramo-nos e nos apresentamos a nós!

20190620_155746

Cia Bando, de Belo Horizonte, bela como a cor de sua raça, a verdade de se afirmar negro, potencializando habilidades;

Cia de Teatro Gente, gente como a gente em busca do encontro e da coragem de se transformar e transmutar da morte à vida. À benção, Plínio Marcos;

Adorável Companhia, que traz no nome a sua identidade no desejo de mostrar inteiro – nunca mais ou menos – que o que nos aproxima pode ser sempre mais forte do que aquilo que nos afasta;

Companhia de Teatro, nas paixões de Paixão, transitando do macro ao micro e encontrando nas casas e jardins os palcos inimagináveis. Capitão, oh, meu capitão, tu és um sucesso!

MeiMundo Inventações Compartilhadas, fazendo-se enxergar na potencialidade da não-invisibilidade, pois existimos e podemos ser.

Assim, foi a nossa viagem. Muito prazer a todos que tiveram a coragem de se mostrar e escancarar suas feridas ao encontro da luz. Só assim, revisitando-nos, é que encontramos a chave que nos abre e descobrimos que estamos todos juntos em um mesmo lugar.

Que lugar é este?

Oh, meus senhores, minhas senhoras, respeitáveis artistas… Não poderia nunca, jamais ser outro que não a mágica e encantadora condição de estarmos IN-CENA!

20190620_185634  

Um comentário em “FERIDAS ABERTAS, SOPROS DE LUZ”

Deixe uma resposta para Antonia Aleixo Fernandes Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s